Comming up Next – A Luta da Noite: UFC Fight Night 113

By
Updated: julho 16, 2017

Essa coluna será produzida antes de todos os eventos do UFC (a princípio), destacando uma luta em especial, para análise e opinião. Espero que gostem.

O UFC Fight Night 113 ou, UFC Glasgow – Nelson vs Ponzinibbio rola em Glasgow, lá na Escócia, na The SSE Hydro arena, no dia 16 de Julho (o domingo) e começa as 13 horas, no horário de Brasília.

Em eventos menores é difícil fugir do óbvio, como nesse caso, a luta mais interessante do evento é também a luta principal, entre Gunnar Nelson e Santiago Ponzinibbio.

Como destaques para o evento, da pra apontar alguns combates:

  • Jojo Calderwood, que não bateu o peso e ainda arrumou quizumba com Cynthia Calvillo;
  • Stevie Ray que enfrente Paul Felder, e promete uma luta movimentada.

Bom a luta principal é um ponto interessante de se comentar por alguns pontos:

O primeiro, é um meio médio muito empolgante, que na luta em pé é dono de um caratê bonito de se ver e, no chão demonstra grande habilidade na arte suave. Gunnar Nelson é tão maneiro, que ao ser derrotado pelo nosso Damião, se tornou fã do cara e agora torce para ele – além de ir em seus seminários de Jiu Jitsu.

O segundo é o “argentino gente boa” foi um dos participantes do TUF Brasil 2 e, só não lutou a final por uma lesão que o retirou da luta. No UFC, ele foi derrotado apenas duas vezes, na sua estreia e, para Lorenz Larkin, em 2015. Desde então conquistou quatro vitórias seguidas.

A luta, pra mim, promete. De um lado um trocador potente, do outro, um ágil carateca que brilha no chão. Mas eu apostaria, com algumas ressalvas, em Gunni. O argentino é um trocador potente e explosivo, mas vai encarar um trocar hábil, que é um ótimo grappler. Sendo capaz de alternar os níveis da luta com facilidade, o que pode – e eu acho que vai – fazer diferença. E ainda arrisco a dizer, se o Ponzinibbio der mole, o islandês, vai sair com mais uma submissão.

Mas vamos falar um pouso sobre cada uma desses caras que empolgam, mesmo estando fora dos grandes holofotes.

Crédito: Josh Hedges

Santiago Ponzinibbio, o “Argentino gente boa” é um lutador destro que pratica MMA a 9 anos. Ele surgiu no cenário mundial ao participar do TUF Brasil 2, onde quase foi para a final, sendo impedido por uma lesão. De lá para cá, ganhou 6 duelos e foi derrotado em apenas dois, ambos por decisão, contra nomes importantes da categoria, como Ryan Laflare e, o agora atleta do Bellator, Lorenz Larkin. O Argentino se destaca pelo seu muay thai potente e, por seu estilo agressivo. É um lutador explosivo e com poder em seus golpes e, que sabe se virar no chão. Como vantagem para esse embate, Ponzinibbio, pode se valer de envergadura e altura superior, além de um porte físico que denota maior força física que seu adversário. Como desvantagem, pode-se apontar sua velocidade, que apesar dos momentos de explosão, é baixa, tendo um volume de golpes condizente ao de lutadores com maior pegada. Além disso, sua guarda não é das mais fechadas e irá lutar contra um adversário muito bom na luta agarrada.

Gunnar Lúðvík Nelson, ou só Gunnar Nelson, é um lutar Islandês de 28 anos, que está no mundo do MMA desde 2007, ms tornou-se famoso pelo mundo ao estrear no UFC em 2012. Seu retrospecto no maior evento do mundo é muito bom, tendo conquistado sete vitórias e apenas duas derrotas, a última para o atual desafiante ao título Demian Maia (uhulll vai Brasil!). As vantagens de seu jogo são bem claras, Gunni é um lutador completo, com ótimas habilidades na luta em pé, graças a um caratê bem refinado, que usa com velocidade, alternando bases e golpes, ele é capaz de ser agressivo, ou defensivo. Esse domínio da luta em pé dá a ele uma capacidade de entrar em quedas que se soma ao seu background de grappling. Nelson prata do mundial de JJB na faixa marrom, ouro no Pan-Americano, e nas suas duas passagens no ADCC, enfrentou e venceu ex campeões. Dito isso é fácil afirmar que sua luta agarrada é de alto nível, coisa que ele já demonstrou. Porém, há desvantagens no seu jogo, como sua guarda baixa, sua envergadura pouco útil, sendo 10 cm inferior ao de seu adversário e seu tamanho, que apesar de compatível como da categoria, não corresponde em “Massa” – já tendo sido superado fisicamente por alguns lutadores, inclusive, foi por esse motivo que foi derrota por Rick Story.

Então, por que eu acho que o Gunni vai vencer?
Bem, eu diria que ele tem 70% de chances de ganhar, mas luta é luta, e no maior evento do mundo, numa das categorias mais disputadas, do mesmo mundo, as coisas nem sempre acontecem como a gente pensa que pode acontecer.

Crédito: Josh Hedges

O islandês é mais veloz, e volumoso, além de ter uma boa transição e um jogo de chão perigosíssimo, apesar disso, sua guarda não é das mais fechadas – como o de seu adversário, contudo, a potência dos golpes do argentino, pode leva-lo a lona. Fora isso, o jogo de trocação muito agressivo de Ponzinibbio é perigoso, pois com maior envergadura ele pode atingir sem ser atingindo. Dito isso, se Nelson estudar bem o jogo de seu adversário, poderá jogar a distância, no contra golpe, uma característica que as vezes vemos ele usando.

Uma vez no solo, as chances de do “Gente Boa” se tornam realmente baixas, lá é onde Gunni tem total vantagem, o problema é que o argentino é mais forte fisicamente e pode oferecer alguma resistência.

Vejo como maior problema para Gunnar o ato de derrubar. Ele tende a avançar de forma que o deixam aberto a golpes, e Santiago com certeza vai explorar isso. E é nesse momento onde a potência do argentino pode fazer toda a diferença.

Sendo assim, se a luta não definida em pé pelo nosso “quase” compatriota ou definida no chão, pelo mais novo aluno do Damião, ela tende a se estender até o fim do terceiro round, caindo nas costas dos juízes que terão de avaliar um luta conturbada e tomada de mudanças de domínio.

Bom, enrolei um bocado, mas para resumir. Vejo dois caminhos:

1) Gunni surpreende na trocação, atordoa Santiago, o derruba e o obriga a dar os três tapinhas.

2) Ponzinibbio consegue um golpe limpo e potente e capitaliza ganhando por TKO.

O primeiro caminho tende a acontecer nos primeiros dois rounds, quando Nelson estará melhor fisicamente e seu adversário não estará suado. O problema é que a força de Santiago também está em alta até esse momento.

O segundo caminho tende acontecer também nos primeiros dois rounds, quando a potência e força superiores do argentino estarão ano auge. O problema desse cenário é que durante os dois rounds iniciais Nelson, também, estará em dia com sua velocidade e seu jogo de grapling.

Bom, é isso. O que vocês acham da análise? Concordam? Se não, qual foi?! Não, brincadeira. Espero que tenha curtido ler, e deixem suas opiniões ai. Um bom evento no domingão.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *